Da série quantas vidas vivendo por aí (2)

Sardinhas do Joe Best

Sardinhas do Joe Best

Por Ana Souto*

“Quer saber? Ele é um ma-ni-pu-la-dor”. Ela cospe as sílabas como pedrinhas no feijão, mas no prato só tem folhinhas de salada e um pedaço de peixe grelhado. A menina tem que sobreviver a um dia a dia hard na dieta light, atendendo dois telefonemas a cada 15 minutos, além de tudo. “Oi, não.. tô jantando com uma amiga, fala.” Eu descobri que tinha ficado velha quando voltei ao Brasil e percebi que o fato das pessoas interromperem a conversa sem a menor cerimônia me deixava com rugas na testa. Ao vivo ou remotamente. Você está lá conversando com alguém e o seu amigo ou do alguém aparece e não vacila: pula entre os interlocutores e começa a falar. Sem contar que praticamente todo mundo interrompe qualquer diálogo pra atender ao celular. “Desculpa, fala, era a minha irmã, ela está surtada”. Brinco que estamos todos em surto de dependência de comunicação eletrônica. Ela sorri com o olhar vazio, depois parece perceber que tem algo a ver com a máquina da qual não tira os olhos e ameaça uma justificativa. Tudo bem, eu lhe digo, somos mesmo escravos do telefone “Desculpa, fala.” ela diz de olhos baixos, não sei se para pensar no que eu disse ou para não perder a tela do aparelho de vista. Depois me encara e pergunta o que eu acho. Então digo que essa história com seu namorado parece complicada de verdade. Fico sem jeito de confessar que estou pensando em Anna Karenina e Madame Bovary. Só na minha mente doentia uma garota de 23 anos poderia parecer com uma personagem do Século XIX. “Eu acho que você, com a sua experiência pode me ajudar…”. Digo que não é tanta assim, tento ganhar tempo pedindo ao garçom uma tónica com bastante limão e pouco gelo. “Com a minha mãe não dá pra conversar. Ela é daquele jeito, você sabe, uma neurótica”. Digo que é possível gostar de bebidas amargas, quer provar? Ela agradece e leva um pedaço de peixe à boca tão pequeno que não tem de mastigar. Minha mãe, ela quase geme, só se queixa e me critica. As coisas passam, digo a ela, tudo passa, também como um pedido de clemência. Tivesse menos pudor, ia dizer: deixe-me passar sem essa, minha jovem amiga, tudo passa. Mas a aflição dela não quer passar, não antes de fazer a pergunta que me atormenta desde que veio o cardápio. “Você acha que ele me ama?”. Como eu temia, ela quer uma resposta pragmática e direta. Só uma resposta prática interessa. Definitiva?

Acho, em minha cabeça, dezenas de histórias parecidas, ficcionais, vistas e ouvidas. Não, não vou falar das vividas. Acho, minha amiga, que o amor nos tempos de pouco tempo e muita competição, disputa com a paixão o topo no pódio da Maratona de Santa Felicidade. Maratona que não existe porque não há como canonizar um sentimento que são flores ocasionais do caminho e não uma santa para quem se deva acender velas. Acho também que a felicidade, o amor, a paixão só existem como substantivos para dar assunto aos poetas. Acho que na vida mesmo, na carne e nos caminhos, só existem como verbo de práticas, das comunhões do dia a dia: amar, apaixonar, ficar feliz. Todos flexionáveis para o si e para o outro. Todos podendo ser praticados como dança ou como luta. Isso tudo eu simplesmente acho. O que sei é que manipular e manipulador são destas palavras que entram na moda de vez em quando, como os saltos Luiz XV, que nem todo mundo sabe usar. E veja que interessante, minha jovem amiga: é um verbo que, antes de tudo, se aplica ao mundo material. Manipular, diz o meu dicionário mais antigo, é manusear, manejar, preparar manualmente, misturando, certos elementos químicos. Não dá pra imaginar que este verbo pode ter sido criado para indicar a lida de velhos ceramistas e só depois dos alquimistas sonharem a química, adquiriu o sentido que lhe dão as farmácias, hoje em dia? E que o sentido deste verbo, tão bom para descrever a concreta ação das mãos, virou metáfora de humano-sobre-humano só depois que a filosofia saiu das torres de marfim? Sem falar que provavelmente só virou sintoma depois que a psicologia caiu no gosto popular. Será que agora ameaça virar rótulo que se cola às pessoas, como elas fossem frascos na prateleira, aos quais se pode determinar em laboratório com precisão matemática, o que contêm, quanto e de quê?

Ela parece supor na minha hesitação a falta de elementos para responder à pergunta fatal. “Olha só o que ele me disse:”. E prossegue, com seu talento para o teatro e para a contação de histórias, me provendo de farto repertório de diálogos.

Enquanto isto, outro diálogo imaginário se desenvolve na minha cabeça. “Você se lembra daquele livro que lhe indiquei, que falava sobre reificação, a palavra que você não conhecia? Uma pena que você não leu. Ah, eu não tive tempo, mestra… Pois é, mas só podemos trocar ideias sobre o sentido das palavras, quando estamos de acordo quanto a algum significado mínimo comum. Eu queria, neste momento, poder falar com você sobre esta palavra: reificação. Eu acho que seria tão bom se pudéssemos falar de como a vida, que sentimos como nossa e de mais ninguém, se confunde com as dos outros, nos modos de viver que existem, antes mesmo de sabermos dizer mamãe, eu, amor. Eu acho que a gente ia acabar por explorar os muitos sentidos de palavras como amor, eu e mamãe. Eu acho até que íamos nos divertir mais do que falando do que ele-disse-ela-disse, como a se a vida fosse uma telenovela e a medida de todas as coisas fosse o sentido e o ressentido.”

Mas isso tudo eu só pensei e não disse. Porque a menina é jovem e tem direito a não ser importunada por uma velha professora com ideias antiquadas. E porque não quero ser como sua mãe, a criticá-la, e porque às vezes eu também tenho preguiça de enfrentar questões que não têm respostas simples. E talvez aquilo que nela me pareceu preguiça, tenha provocado um mimetismo de letargia, que me impediu de mover a mó da poesia, a ver se podíamos fazer as palavras andarem onde o verbo simples ou composto não alcançam. E veja como às vezes as coisas não são nada simples, minha amiga. Seus gestos seguintes parecem dizer que a única resposta que pude dar a deixou frustrada. Suas atitudes parecem me dizer que talvez não lhe interesse mais nossa amizade, mas continuo solidária a você, pensando nas suas dores, esperando que este não tenha sido o último de nossos jantares, que vamos sarar da falta de tempo, nos encontrar mais vezes, mesmo que seja apenas pelo prazer da companhia, de experimentar esta coisa misteriosa de conviver. Gosto de imaginar que insistiremos em nos ver, mesmo que alguns encontros sejam menos felizes que outros e que eu não tenha nada mais a lhe dizer do que: não sei. Eu quero. Decida se quer e me diga, mas só quando tiver a resposta. E, agora me ocorreu – será que não poderíamos chamar também a esta simples decisão, a prática do amor?

*Ana Souto é nossa convidada de sempre. E não se faz de rogada. Sempre com a gente. Toda a gente. Daqui a pouco é colunista, vira artista e nem sente!

Transverse conosco também. Não vai fazer mal a ninguém.

Anúncios
Categorias: Cultura, Reflexões | Deixe um comentário

Navegação de Posts

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: