Governos 3 x 1 Trabalhadores da educação em luta

Será o início duma goleada? Daquelas épicas e pra todo o sempre memoráveis, atravessando gerações e mais gerações, em forma de mitos? Retranca fortíssima instaurada. Dá pra virar?

Uma partida duríssima se delineia, já com placar aberto, enquanto a Copa rola e a população se enrola, em meio a isso.

Parece haver pouca torcida a impulsionar uma virada e ela se encontra com poucas forças… O pior de tudo: o juiz parece totalmente comprometido com beneficiar o adversário. Não enxerga suas faltas, seus impedimentos, nada. E agora?

Fosse uma partida de futebol, todo esse quadro já seria assustador. Agora, quando pensamos que isso é exatamente o que está se dando, no exato momento presente, com profissionais da Educação em greve em três diferentes níveis, é então totalmente desesperador; ainda mais quando nos debruçamos sobre a resenha detalhada desta partida em curso.

educação em greve

As greves em questão- das tantas outras, como tratei em Vai ter greve…- são das redes municipal e estadual do Rio de Janeiro, além da rede federal, em tentativas de negociação com seus respectivos governos. Daí, o placar de 3 para estes.

dilma e seus diabetes

Dilma e seus diabinhos de estimação.

Vamos aos carrascos do time adversário. Eduardo Paes, imprefeito falastrão do Rio de Janeiro, artilheiro quando as jogadas incluem negócios exorbitantes, craque da cidade olímpica e imobiliária do Rio de Janeiro S.A. É muito difícil pará-lo, sobretudo quando há perspectivas de lucro adiante. Bem-estar, Educação, Saúde, Transporte, nada o detém.

Pezão, substituto do desgovernador Sergio Cabral, Filho (em respeito ao pai). Mal entrou em campo e já vem fazendo jus ao seu risível apelido- também um estado que já foi governado por Garotinho e Rosinha, né? O que faltará agora? João Grandão? Ritinha das Couves?- entrando duro em toda e qualquer dividida com dito cujo pé na bunda dos servidores. Pezão ainda tem uma vantagem em comparação a seu antecessor: não tem uma suposta biografia a zelar. Era um nada, continua a sê-lo, mas agora tem o título de desgovernador.

Por fim, a grande capitã da equipe adversária: a presidentíssima Dilma da Silva. Há quem diga que há nela uma postura de respeito pelo time dos trabalhadores. Mas, na hora h, ela é sempre patronal e mandonista, como seus demais companheiros de time: inclemente e insensível, a um só tempo.

[Lamentabilíssimo que a canção composta por Chico, setentão da semana, por sinal, feita pros que governos que foi feita, ainda sirva pra falar de nosso governos atuais]

Na prefeitura do Rio, 51 (uma péssima ideia) processos de demissão por, PASMEM(!!!), reprovação no estágio probatório, devido aas ausências por falta, em meio aa greve! É isso mesmo! Em óbvia, escrachada e escandalosa descaracterização do que sejam tanto o estágio probatório, conforme descrito no RJU (Regime Jurídico da União) e, quanto ao direito aa greve, garantida aa situação de estágio probatório, conforme entendimento do STF, súmula nº 316, relatora Ministra Cármen Lúcia.

No estado, mais de uma centena (não sei o número exato) de inquéritos administrativos por falta, em meio aa greve, como se fossem essas ausências ao local de trabalho de caracterização demissionária e não condição da greve.

No plano federal, o STJ julgou liminarmente o retorno aas atividades do SINASEFE (professores e técnicos da educação básica) e da FASUBRA (técnicos das universidades).

Em outras palavras, o próprio DIREITO AA GREVE está em xeque! É isso o que está agora em jogo, efetivamente.  E, se perdermos esse direito tão básico, o que nos restará? Trabalharmos sem instrumento de reivindicação e de luta por melhorias em nossas condições de trabalho imediatas ou de longo prazo?!

O 1 do placar é justamente a condição de greve. Ela é muito, em termos de luta. Nosso elenco não dispõe de estrelas de grande vulto. Nossa força toda vem da coletividade com que podemos disputar esse jogo.

Ameaçar profissionais sérios que dependem de seus empregos pra sua manutenção e bem-estar de seus lares, por eles lutarem justamente por maior bem-estar profissional? Que lição profissionais tolhidos de lutar poderão passar a seus alunos? Que perspectiva de criticidade haverá aí?! É da vida das pessoas que se está falando… das que ensinam e das que aprendem, até porque, idealmente, é um processo só…

educação rio em luta

Em meio a tudo isso, ainda há os que preferem cornetar, desprezivelmente, fazendo coro aa torcida contrária: “Tá vendo? Eu bem que disse que fazer greve ia dar nisso…”.

É a política patronal do medo perpetrada pelos governos. Medo fortalecido na falta de solidariedade básica entre os próprios trabalhadores… Parecem ter aprendido a velha lição com FHC, na repressão brutal aa greve dos petroleiros nos anos 90. O roteiro de criminalização das greves segue ritmo acelerado: metroviários de São Paulo, servidores da Cultura federal, dentre outros infelicíssimos exemplos.

solidariedade

No caminho (Maiakóvski)

“[…]

Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem;
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz, e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada.

[…]”

Isso tudo em meio aa lisérgica e anestésica Copa do Mundo… Covardia, com requintes de crueldade.

Mais do que adversários, esses governos, hoje, colocam-se como inimigos covardes e arrogantes da educação e de seus profissionais. Sequer sentam pra negociar… É urgente RAÇA, PAIXÃO e TORCIDA pra virarmos o jogo! Tá difícil, mas o que tá em jogo vale todo o empenho e luta! É preciso sair da passividade do luto pela educação pra atividade da luta por ela!

greve-professores 6

 

[Apesar da repressão…]

P.S.: https://secure.avaaz.org/po/petition/A_Prefeitura_Municipal_do_Rio_de_Janeiro_Por_nossos_professores_ameacados_de_exoneracao_pela_Prefeitura_do_RJ/?dAlNkeb&pv=0

P.S.2: há alguns meses, mas segue muito atual: https://transversos.wordpress.com/manifesto-transverso-de-apoio-incondicional-a-luta-dos-profissionais-de-educacao-do-rio-de-janeiro/

Anúncios
Categorias: Política, Sociedade | Tags: , , , , , , , , , , , , | 1 Comentário

Navegação de Posts

Uma opinião sobre “Governos 3 x 1 Trabalhadores da educação em luta

  1. Flavia Belo

    Valeu ANDERSON!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: